sexta-feira, 14 dezembro, 2018

Yassi e Sebastião.

 

O Astral, no começo do universo, era principal meio de locomoção viável para anjos e outros seres viajarem pelas camadas das realidades e planos de existência.  Os três rios ainda nem tinham nascidos para permear a Criação e os outros lugares. Lá ventos de cores diferentes, monções espirituais e até mesmo tornados conscientes levavam, ás vezes contra a vontade os viajantes do Astral.

Poiel e Zazriel já voavam por cinco longos dias pouco acima do Mar-astral, a representação das águas do grande Dilúvio, que escoou para o astral. Seguiam pistas e linhas que Zazriel podia ver, além das ajudas pontuais dos seres marinhos com quem o Ofanim falava. Não havia cansaço neles, pois os celestes no Astral não sofrem fadiga, assim como também não precisam comer ou beber. Tudo o que necessitam é de sua aura pulsante, fonte de suas energias.

– O rastro termina aqui. – afirmou o Ofanin.

– E o que faremos agora? Não tenho como ajudar muito, a água não faz parte do meu domínio de poder, como sabe, Zaz.

Zazriel pensa por alguns instantes. Olhando o mar, de repente, parece ter uma revelação.

– E se a linha do rastro da aura de Shoftiel não acabou? E se somente desceu ao fundo do Mar-astral? Podemos continuar, tenho quase certeza que quem ou o que o levou são originários do Mar aqui. É nossa melhor conclusão.

– Isso é sério, Zaz?! Vamos ter que nadar?! Embaixo d’água?! Isso não me agrada…

– Poiel, sei o quanto desconfortável estará neste elemento, mas é da vida de Shoftiel que estamos falando. Vamos, pare de resmungar!

– Ok…pelo menos aqui no Astral não necessariamente iremos nadar…nossas asas e poder de vôo se aplicam em qualquer terreno por aqui. Mas deixe-me fazer algo antes.

Poiel assovia e Lóki, seu falcão companheiro se aproxima voando. Lóki não é um simples falcão, se o fosse, nunca poderia fazer a travessia pela película da realidade. Ele era seu companheiro espiritual, uma criatura consciente que é composta de seus sentimentos e energia de sua aura. Poiel olha bem nos olhos de Lóki e ele parece compreender o que ela quer e voa para longe.

– Mandei- o voltar e avisar aos outros nosso paradeiro. Pelo menos terão um ponto de partida para nos achar.

– Sempre admirei muito sua ligação com Lóki. Foi uma boa idéia!

Assim, os dois celestes mergulham em Mar-astral no ponto onde o rastro de Shoftiel sumia. Descendo cada vez mais, ambos viam as maravilhas de Mar-astral. Criaturas e peixes de muitos tipos e tamanhos estavam ali, trazidos na enxurrada do Dilúvio. Outra característica é que não importe o quão fundo possa ir, é como se a luz chegasse até o mais fundo local.

Após longos minutos, eles avistam o fundo de areia e rocha. Formações de corais espaçados de muitas cores pode ser vistos adornando entradas de cavernas que vão desde pequenos buracos até cavernas com bocas imensas, como criaturas colossais prestes a engolir qualquer um que se aventure por perto.

Chegando ao fundo, Poiel olha bem o local e como por instinto toca o fundo arenoso. Sente que não muito longe dali existe um local grande, bem grande, de formações peculiares como edificações e não somente isso, é vértice gigantesco!

Infelizmente a propriedade aquática daí não permitia a fala debaixo d’água, assim como em qualquer mar mundano. Sendo assim Poiel chamou a atenção de Zazriel e escreveu rusticamente no fundo da areia para seu companheiro ver. Zazriel que se distraia com um grupo de camarões peculiares viu os sinais escritos que diziam com uma seta “para ali….cidade…vértice gigante”. O Ofanim concordou com a cabeça e ambos foram na direção assinalada pela Ishin.

A passagem entre as cavernas se estreitou, como um cânion enorme, até que em um momento Zazriel parou abruptamente. Poiel olhou para ele e sentiu um arrepio na nuca. Zazriel olhava e, como por mágica, todos os peixes tinham sumido. Ele sabe o porque de animais sumirem assim, é a proximidade de um predador maior!

A formação rochosa começou a tremer. A areia do fundo começa levantar e antes que pudessem perceber, como se toda luz do local acabasse num eclipse, uma figura gigantesca emerge de uma das cavernas enormes dali. Com o corpo em forma de um polvo disforme e coberto com um grosso couro adornado com cracas e rochas. Tentáculos com espinhos e espigões cobriam sua extremidade, enquanto na outra uma grande cabeça mole com um par de olhos tão grandes quanto eles fixavam o olhar nos celestes. Por baixo dos tentáculos podia se ver uma boca em forma de bico de ave com dentes afiados em volta, para a função agarrar e triturar.

Poiel invocou seu arco de luz, porém Zazriel fez menção para ela esperar. Ele sabia que criatura era aquela. Era um ser mitológico que povoou as águas dos oceanos da Haled em tempos primevos. Seu nome era Kraken!

A colossal dantesca criatura se movia de forma ameaçadora. Era realmente enorme, maior que um navio. Zazriel apontou sua mão para a criatura em uma postura passiva. Tentava se comunicar, pensou Poiel, e por um momento a criatura parou e houve calma, porém, Zazriel sem esperar foi pego por um dos tentáculos da criatura que se esgueirou pelas rochas. Como um raio, Poiel armou o arco e disparou duas vezes, uma pegando no tentáculo do Kraken e outra no olho do monstro. Apesar de seu urro de dor ouvido mesmo nas profundezas, o Kraken não largou de Zazriel, que se debatia inutilmente. Enfurecido, a fera atacou com seus tentáculos Poiel, que agilmente se desviou de quase todos, pois um deles a acertou violentamente! Foi arremessada contra a parede de rochas e muitas delas rolaram e cobriram parcialmente seu corpo. Poiel sentiu as forças se esvaindo e a consciência sumir devido a intensidade do ataque da fera, mas não antes de ver o monstro se afastar por dentro das cavernas grandiosas com Zazriel em um de seus tentáculos gritando sem se fazer ouvir nas profundezas do Mar-astral.

Fim.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Assista a seguir o primeiro capítulo da temporada 2 de Filhos do Éden: O Olho de Bálor no dia 04 de Março, domingo, às 20hrs, nos canais do Twitch e You Tube do Casa Velha RPG.

Muito obrigado pela leitura e até lá!

Carlos Eduardo “Ximu” Fernandes.

Tags:
Estamos ON!
Estamos OFF :(