sexta-feira, 14 dezembro, 2018

“Faroeste mágico” é uma maneira de descrever, de forma bem resumida (e talvez errada) o que seria Deadlands. A verdade é que esse cenário, que inicialmente foi criado para Savage Worlds mas é super adaptável para outros sistemas, é bem mais do que isso! Aqui, pistoleiros andam lado a lado com pesadelos terríveis, a Guerra Civil americana nunca terminou e cientistas malucos criaram as mais terríveis (e incríveis) invenções, saídas de cenários de steampunk. Em Deadlands os fracos não tem vez, então puxa uma cadeira, pede uma bebida forte e deixe que a gente te conte um pouco sobre esse cenário antes que um novo tiroteio comece.

Introdução de Deadlands

Estamos no ano de 1879, mas não o que vocês conhecem.

Depois de quase duas décadas de Guerra Civil, os EUA finalmente encontraram a paz sob a forma de uma trégua. Os Confederados ainda estão livres, a Califórnia afundou no Oceano e Barões Ferroviários lutam batalhas sangrentas pelo controle das rotas do país.

Há pouco mais de 10 anos, um grande terremoto abalou a costa Oeste dos EUA. Ele deixou um labirinto de terrenos irregulares, que ficou conhecido como O Grande Labirinto. Isso liberou estranhas criaturas no nosso mundo, como os Dragões do Labirinto, imensas criaturas reptilianas que vagueiam por lá. Ainda mais surpreendente foi a descoberta de um novo mineral.

Essa pedra era diferente de tudo e queimava 5x mais quente e 100x mais demorado que o carvão. Quando usada, exalava um vapor branco e fantasmagórico que uivava como o próprio diabo. Algum desafortunado deu o nome de rocha fantasma e não demorou pro nome pegar.

Essa descoberta abasteceu inventores do mundo inteiro, que vieram até o Labirinto atrás da rocha. Logo carruagens sem cavalos, navios movidos a vapor e até armas capazes de cuspir labaredas de fogo inundaram o mundo. Essa rocha também podia ser usada em forjas para criar um metal muito mais resistente que o aço, chamado de aço fantasma. Ela também é usada pra criar uma série de tônicos e outros produtos alquímicos.

Os exércitos usaram e abusaram dessas novas armas, até que ambos os lados viram que não poderia haver um vencedor da guerra e declararam um cessar fogo.

A paz agora é tênue, e qualquer deslize pode reabrir feridas antigas, enchendo-as de fogo e morte.

Leia também: Cenários Próprios: Pangea – O Mundo de Luz

Sobre o cenário de Deadlands

Existem monstros nas sombras saídos de toda lenda e pesadelo humano. As histórias que um dia serviram pra assustar crianças, hoje ganham vida e caminham entre nós. Abominações habitam o mundo físico.

Descobrimos, da pior maneira possível, que existe um outro plano, que alguém resolveu chamar de “Territórios de Caça”. Sim, nós somos a presa. O véu entre os planos está caindo e ninguém sabe porque.

Alguns territórios foram mais afetados que outros (esses são chamados de Terras Mortas), mas é inegável que a magia veio para ficar, trazendo tudo de ruim com ela. Os espíritos ruins ganharam um nome, e a simples menção dele causa arrepio em qualquer um: Manitous.

Eles drenam o medo e as emoções negativas do mundo, canalizando essa energia para algum lugar, provavelmente seu plano de origem. Essa “colheita” causa impactos no nosso mundo, criando as Terras Mortas, onde seres maiores e mais perigosos conseguiram atravessar e habitam o nosso planeta.

Os Manitous mais poderosos são chamados de Algozes que, para simplificar, são demônios encarnados. Eles normalmente se apoderam de algum ser vivo do nosso plano e mudam sua forma até criar algo verdadeiramente doentio de se olhar.

Vivemos em um mundo alimentado pelo medo, e a humanidade com suas guerras e disputas mesquinhas não está fazendo absolutamente nada pra resolver isso. A tendência é que as coisas piorem e que as Terras Mortas passem a ser conhecidas como Planeta Terra.

 

Os Territórios de Deadlands

Kansas: O Kansas tem sido palco de 25 anos de guerrilha, e não mostra sinais de apaziguamento em qualquer momento próximo. Apesar de nenhuma grande campanha militar ter ocorrido aqui, uma longa tradição de guerrilha e intimidação continua até hoje. Rebeldes tenazes e unionistas convictos muitas vezes vivem lado a lado em algumas cidades do Kansas. Dodge City, bem no meio da divisa entre territórios, é tão sulista quando do norte. Isso causa uma série de problemas…

Oklahoma: A maior parte do território é controlada pela Aliança do Coiote, mas ainda existem alguns poucos homens brancos que tentam morar por aqui e se dizem Confederados.

Colorado: Ambas as nações, norte e sul, querem o Colorado. As pessoas não se importam muito com lados e aqui existem grandes minas de ouro e prata.

Denver: A Rainha do Oeste, Denver fica no sopé das Montanhas Rochosas e é a maior cidade entre Dodge e Lost Angels, o que faz dela perfeita para uma ferrovia, a Denver-Pacífico. Isso significa que se você quer ir a algum lugar rápido, este é o lugar que precisa visitar.

As Nações Sioux: Liderados por Touro Sentado, um astuto chefe indígena que derrotou o famoso general Custer duas vezes. Deadwood, cidade construída próxima às Colinas Negras da Nação Sioux, é o único lugar onde um homem branco pode pisar dentro do território sem que seja caçado. Parece ser uma questão de tempo até que os Sioux se revoltem de vez…

Aliança do Coiote: Uma coalizão das antigas tribos tomou o território Sul e se tornou independente. Controlados por uma misteriosa figura conhecida apenas como “Coiote”.

Salt Lake City: Os mórmons se apoderaram do pedaço de terra que um dia se chamou Utah e hoje fundaram a República do Deseret, liderada pelo presidente Brigham Young. Conhecida como Cidade da Escuridão por conta das incontáveis fábricas que geram uma nuvem constante sobre a cidade.

Lost Angels: Às margens do Grande Labirinto, a Cidade dos Anjos Perdidos foi fundada pelo reverendo Ezekiah Grimme e hoje se tornou o centro do comércio de rocha fantasma no país. Comida aqui é muito escassa. Aqueles que não reconhecem a soberania da igreja são vistos como inimigos do Estado.

Leia também: Cenários Prontos: The Strange RPG

Facções em Deadlands

A Agência: Uma das ferramentas mais eficazes do presidente Grant é a Agência, uma obscura organização formada em 1877. São a evolução natural da Agência de Detetives Pinkerton, composta por homens e mulheres que se infiltram, atacam e sabotam supostos inimigos do estado.

Patrulheiros do Texas: Espiões e batedores na Revolução Texana de 1835, agora servem como defensores do Estado contra a Invasão Mexicana. São como a agência, mas trabalhando para o Sul.

 

A Grande Guerra das Ferrovias em Deadlands

Bayou Vermilion: Controlada pelo Barão Simone La-Croix, que mexe com magia negra e está na corrida apenas pelo derramamento de sangue. Ele serve ao Manitou Corvo Renascido e entrou na disputa para diminuir as chances de haver um vencedor que traga paz. Seus trabalhadores não cansam, pois são mortos-vivos.

Black River: Controlada por Mina Devlin, viúva de Miles Devlin. Eram amantes cruéis e agora ela tem a oportunidade de mostrar que uma mulher pode ser tão cruel, megalomaníaca e capaz quanto um homem. Conquista direitos de construir através de sedução, violência ou intimidação. Hoje é uma das bruxas mais poderosas do Oeste Estranho, usa as Bruxas Witchita como sua guarda pessoal. Quer seduzir Chamberlain e usar seu poder.

Ferrovias Dixie: Originalmente concebida como uma forma de transporte para as tropas sulistas, hoje é gerenciada por Fitzhugh Lee. Tida como azarão na corrida, ultimamente tem surpreendido a todos e conseguido resultados impressionantes. Fitzhugh viu (e ainda vê) o fantasma de seu tio, que o aconselha em assuntos do outro lado da vida.

Dragão de Ferro: Controlada por Kang, é a companhia asiática composta por piratas que envia rocha fantasma de volta à China. Comerciantes de ópio e de prostitutas, são especialistas marciais e feiticeiros. Deseja criar uma própria nação, ao norte do Labirinto e começou a juntar dinheiro pra isso. Após livrar os Sioux da Torre do Diabo, ganhou o direito de construir uma linha férrea no território deles e agora alimenta os vícios de Deadwood.

União Azul: O mais honrado de todos, Joshua Lawrence Chamberlain veio do norte mas seus cofres estão quase no fim por conta dos mercenários que contratou para ajudar nos Territórios Disputados. Amigo do Fantasma (Andrew Lane – o antigo Abraham Lincoln atormentado), antigo líder do Escritório Oeste da Agência, usa suas amizades para conseguir passagem pelos territórios.

Wasatch: Com tecnologias incríveis e um poder financeiro invejável, a companhia de Darius Hellstromme subornou cidades por onde passou. Quando isso falhava, ele recorria ao terror com suas legiões de monstruosidades mecanizadas. Encontrou na Ferrovia Denver-Pacífico um problema, por ser controlada pelos rivais da Smith & Robards. Criou a máquina de perfuração Hellbore, para cavar sob as Montanhas Rochosas e cortar caminho. Alguns dizem que a máquina cavou fundo demais e chegou ao Inferno.

Leia também: Cenários Próprios: A Face do Sol (D&D)

NPCs Importantes em Deadlands

Corvo Renascido – Último de sua tribo levado à loucura pelo desejo de vingança

Capitão Jasper Stone – Um antigo oficial que recebeu uma bala nas costas dos seus próprios homens e agora serve à morte

Reverendo Ezekiah Grimme – Líder religioso da cidade de Lost Angels

Dr. Darius Hellstromme – Líder da companhia Wasatch e mestre da ciência proíbida

Touro Sentado – Líder dos Sioux

Brigham Young – Presidente dos mórmon na cidade de Deseret (Utah)

Coot Jenkins – O Garimpeiro e seu exército de mortos-vivos

William “Bat” Masterson – Xerife do Condado de Forn, no Kansas

Calamity Jane – Anfitriã bem conectada

Doc Hollliday – Um dentista pistoleiro viciado em jogos

Seth Bullock – Delegado da cidade de Deadwood

Wild Bill Hickok – Um Atormentado que se levantou do túmulo por vingança e perdeu o controle

 

Curtiu o cenário de Deadlands?

Então deixe seu comentário aí no post e não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Tags: ,
Estamos ON!
Estamos OFF :(